O Doutrinador | Quadrinho brasileiro também vira filme

O filme

O Doutrinador é um filme de ação e suspense brasileiro dirigido por Gustavo Bonafé, baseado na série de HQs homônima criada por Luciano Cunha. O longa-metragem tem estreia confirmada para 20 de Setembro de 2018 e foi gravado juntamente com a série de televisão que será exibido no segundo semestre de 2019 pelo canal Space.

Kiko Pissolato protagoniza o filme interpretando o personagem-título. O longa também conta com as participações de Samuel de Assis, Tainá Medina, Nicolas Trevijano, Du Moscovis, Tuca Andrada, Natália Lage, Helena Ranaldi, Eucir de Souza e Marília Gabriela.

A HQ

O desenhista Luciano Cunha iniciou a carreira nas HQs com 16 anos trabalhando para Ziraldo, fazendo a revista Menino Maluquinho. A ideia do justiceiro surgiu em 2008, com um outro nome. O projeto ficou engavetado por cinco anos. Até que, em 2013, Cunha viajou para São Paulo, época em que começavam os Protestos pelo Brasil. Inspirado pelo momento, ele rapidamente retomou a ideia deixada de lado e reformulando-a. Lançando em Março do mesmo ano, uma página no Facebook por onde publicava os quadrinhos.

Coincidido com o momento pelo qual o país passava, “O Doutrinador” logo se tornou um sucesso. A página alcançava mais de 20.000 Seguidores. Os quadrinhos eram protagonizados por um personagem que usava máscara de gás e capuz, que era a identidade secreta de um ex-soldado altamente treinado que atuou na época da Ditadura Militar. Esse justiceiro se dedicava a caçar e a matar políticos corruptos com requintes de crueldade, tendo como alvos políticos reais como a ex-presidente Dilma Rouseff e o senador Renan Calheiros.

O sucesso da história levou à Editora Redbox lançar comercialmente o primeiro volume de “O Doutrinador” no mesmo ano. Em 2015, foi lançado o segundo volume. Intitulado “O Doutrinador: Dark Web”, com roteiro de Luciano Cunha em parceria com o músico Marcelo Yuka, ex-baterista da banda O Rappa.

Essa nova história, ambientada em um futuro próximo foi publicada com 92 Páginas.

Adaptando o Quadrinho pro Cinema

Para evitar problemas e processos, a equipe do filme optou por criar uma história totalmente fictícia. Com uma história diferente da vista nos quadrinhos, mas com elementos que remetam a obra anterior. Nas HQs, o Doutrinador persegue políticos reais. Já no filme, o herói caça políticos na fictícia Santa Cruz. Também houve mudanças no perfil do personagem. Nos quadrinhos, sua identidade não era conhecida, mas sabia-se que se tratava de um ex-soldado que trabalhou durante a ditadura militar. Enquanto que no filme e na série, o Doutrinador é Miguel, um agente federal mais novo. E a história do personagem passa a ser mais explorada que na HQ.

Facebook