Batman vs Superman | o que eu vi na versão estendida

São trinta minutos a mais mas realmente faz toda a diferença naquela série de pontas soltas apresentadas nos cinema com a versão de duas horas e meia.

Três horas de filme, provavelmente se você tivesse comprado aquele copão de 1 litro com a pipoca super-mega, teria que sair no meio do filme se a versão estendida fosse apresentada nos cinemas. Contudo, ao final do filme fica claro que a montagem que o Zack Snider quis fazer era, de fato, a estendida mostrada nos DVDs. Isso, porém, não muda o cerne da estória, serve para amarrar melhor as lacunas que ficaram e confesso que depois de re-assistir ao filme passei a gostar mais dele.

Houve toda uma parte excluída do filme em que envolve o trabalho de repórteres investigativos dos dois personagens: Clark Kent – investigando o Batman e Lois Lane investigando o evento de ataque no deserto. Nessas duas linhas há uma amarração melhor do porque Clark fica obcecado por Batman e suas ações e explica melhor os eventos envolvendo a trama de Lex tentando incriminar o Superman e envolve-lo em uma trama política, fazendo com que o Super questionasse o verdadeiro valor de ser um salvador em um mundo controverso.

Em análise geral foram colocadas cenas mais importantes para os personagens de Lois Lane e Clark Kent deixando o filme mas pra Superman do que Batman – como se queria. Mas com o trabalho focado mais no alter ego do Super e de certa forma ficou aquele sensação de querer ver mais de Clark Kent.

Na minha opinião, o que foi sempre uma dificuldade de se fazer ao humanizar o Superman, mesmo nos quadrinhos, ao invés de colocar mais fraquezas em um ser invulnerável poderiam trabalhar mais o Clark Kent e suas questões em relação ao mundo. Se formos rever ele se relaciona com Lois Lane – que tem uma personalidade forte – com uma personalidade tímida e que não contesta muito o que ela fala. Talvez por que ele ache que não precise, uma vez que nenhuma questão é de fato importante para um ser invulnerável como ele. Se ele apresentasse uma personalidade tímida mas contestadora seria mais interessante e humanizaria mais o herói.

Ainda tem muita coisa do Batman que não acho que são características dele – como o fato dele matar no filme e a falta óbvia do detetive/estrategista. Também o fato do Superman não ter sacado que sua mãe estava sendo sequestrada, quando no filme anterior ele soube quando Zod abordou ela na fazenda e no próprio filme BvS ele soube quando a Lois Lane estava sendo jogada da torre pelo Lex. Só esse fato anularia toda a luta desnecessária com o Batman – que originalmente ( nos quadrinhos ) era ideológica e não fruto de chantagem barata como foi utilizada no filme. Cá pra nós!! Amigos quadrinistas… todos nós sabemos que no momento que o Lex tinha mostrado a foto pro Super, ele já teria resolvido a situação pelo batimento cardíaco da mãe dele. Nessa parte da briga dos dois é que – na minha opinião – o argumento ficou fraquíssimo.

O resto é aquilo! O Apocalipse evoluiu umas quatro vezes num período de quinze minutos, mas é cinema… isso a gente entende, beleza, tudo bem, tem que ser assim mesmo. Reforçando, adorei novamente a Mulher Maravilha, a cenas de lutas dela são fantásticas. O Batman… bem o Batman não é um detetive nesse filme, muito menos um estrategista. Em todas as cenas ele é surpreendido por algo que ele não sabe, pergunta tudo pro Alfred, depois de dois anos na terra ele ainda não tinha levantado a ficha completa do Superman, o máximo de pesquisa que ele fez foi decriptar os arquivos que ele só conseguiu investigar depois que a Mulher Maravilha devolveu pra ele sua própria escuta. E mesmo nesse momento, quem decriptou foi o computador, ele dormiu o tempo todo, sonhando com Apokópolis.  Difícil hein!!

Em declaração recente Ben Afleck disse que o Batman da Liga da Justiça e do filme solo será muito mas detetive do que um cara bruta montes que saí distribuindo pancadas, no longa do Morcego que ele está escrevendo com Geoff Johns.

“O aspecto do ‘maior detetive do mundo’ está mais presente nesta história do que estava na anterior [em BvS], e provavelmente será expandida no filme de Batman que farei. Eu acho que todas as grandes histórias do Batman são, em essência, histórias de detetive. Por isso que elas se parecem um pouco com filme noir, de certo modo. Daria para ser um O Falcão Maltês”, diz Affleck.

“E em histórias de detetive há um elemento de ‘o que está acontecendo?’ ao mesmo tempo em que aqui temos um ‘como eu faço para encontrar essas pessoas e colocá-las juntas e funcionando?'”, emenda o ator, em referência à missão que Batman propõe a si mesmo na formação da Liga.

Affleck ainda explica por que será creditado como produtor-executivo em Liga da Justiça. “Serei produtor porque vou dirigir um desses filmes. Rola esse cruzamento de histórias e personagens, e há algumas coisas que podem acontecer no meu [filme de] Batman que sejam afetadas por isso aqui, afinal estamos numa cena na delegacia de polícia de Gotham. Há essa chance de que algo como isso aqui exista nessa próxima história”, diz o ator em referência à cena que vimos sendo rodada no set.

“De certa forma, é um tipo de cortesia”, diz ele sobre o processo colaborativo entre os filmes da DC. “Você fica sabendo o que os outros estão fazendo, uma mão fica sempre a par da outra, e eu posso opinar em relação às coisas que impactam as questões do Batman.”

Bom, ainda há esperança depois de uma declaração dessas, não é verdade?

Facebook

Deixe uma resposta