A Jornada do Herói: de Jung a Campbell.

Para aqueles jovens escritores ou desenhistas que gostam de conceber seus personagens mas não fazem a menor ideia de como contar sua estória, apresento a vocês uma metodologia. Este conceito é base, ainda hoje, para a maioria das estórias de heróis sejam elas publicadas em livros, quadrinhos, teatro ou cinema.

Joseph Campbell em 1949 escreveu um livro chamado O herói de mil faces. Neste livro propõe um caminho onde obrigatoriamente a estória do herói ou monomito deve passar para que se torne um enredo interessante e que se faça reconhecer a figura do herói no crescimento alcançado e na conquista de cada etapa deste trajeto.

A idéia de monomito em Campbell explica sua ubiquidade (estar em todos lugares ao mesmo tempo – como se fosse uma fusão de várias teorias) por meio de uma mescla entre o conceito junguiano de arquétipos (arquétipo do herói), forças inconscientes da concepção freudiana, e a estruturação dos ritos de passagem por Arnold van Gennep.

Pois bem, com base nestes conceitos Campbell faz sua pesquisa sobre a estrutura de mitos, lendas  e fábulas. Sua conclusão foi que, em todas as histórias, existe um herói e que a narrativa gira em torno de suas aventuras. Nem sempre o herói é um ser humano, podendo ser um grupo de pessoas, um animal ou uma figura mitológica.

Partindo disto Campbell desenvolveu uma estrutura de eventos que demonstra que o herói passa por doze etapas. são elas:


Passo 1 – Mundo Comum. 
O herói é apresentado em seu dia-a-dia, geralmente as carcterísticas cotidianas são amplificadas mais para frente.

Passo 2 – Chamado à aventura
A rotina do herói é quebrada por algo inesperado, insólito ou incomum – ele é apresentado ao problema.

Passo 3 – Recusa ao chamado
Como já diz o próprio título da etapa, nosso herói recusa a se envolver e prefere continuar sua vidinha, ele não quer sair da zona de conforto.

Passo 4 – Encontro com o Mentor
O encontro com o mentor pode ser tanto com alguém mais experiente ou com uma situação que o force a tomar uma decisão. O mentor é “algo ou alguém” que o direciona para o caminho que deve ser trilhado.

Passo 5 – Travessia do Umbral (primeiro limiar)
Nessa fase, nosso herói decide ingressar num novo mundo – enfrentar o problema ou desafio. Sua decisão pode ser motivada por vários fatores, entre eles algo que o obrigue, mesmo que não seja essa a sua opção. Em algumas religíões o umbral é a zona de passagem entre o ato de morrer e a redenção da pessoa, em outras pode ser considerada um pré-pugatório. Ou seja é inevitável que ele esteja neste estágio, o fato é que ele tem que enfrentar as adversidades.

Passo 6 – Testes, aliados e inimigos (o ventre da baleia)
A maior parte da história se desenvolve nesse ponto. No mundo especial – fora do ambiente normal do  herói  – é que ele irá passará por testes, receberá ajuda (esperada ou  inesperada) de aliados e terá que enfrentar os inimigos.

Passo 7 – Aproximação do objetivo (caverna oculta)
O herói se aproxima do objetivo de sua missão, mas o nível de tensão aumenta e tudo fica indefinido.

Passo 8 – Provação máxima (provação suprema)
É o auge da crise é um ponto de virada principal da trama. Aqui o principal problema encontra uma resposta.

Passo 9 – Conquista da recompensa
Passada a provação máxima, o herói conquista a recompensa.

Passo 10 – Caminho de volta
É a parte mais curta da história – em algumas, nem sequer existem. Após ter conseguido seu
objetivo, ele retorna ao mundo anterior.

Passo 11 – Depuração (Ressurreição)
Aqui o herói pode ter que enfrentar uma trama secundária não totalmente resolvida anteriormente.

Passo 12 – Retorno transformado (Elixir)
É a finalização da história. O herói volta ao seu mundo, mas transformado – já não é mais o mesmo.

Desta forma você pode contar sua estória sem medo de se perder no roteiro. Faça um exercício, daqui pra frente tente memorizar as etapas e sempre que você assistir a um filme ou ler um livro, quadrinho ou ir a uma peça de teatro, tente identificar estas fases.

Um bom exemplo é Geoge Lucas. Pegue qualquer uma das duas trilogias de Star Wars e tente identificar as fases descritas acima, aposto que reconhecera a estrutura na maioria delas.

Facebook

2 Replies to “A Jornada do Herói: de Jung a Campbell.”

Deixe uma resposta